Waze tem plano para melhorar trânsito no Brasil

O Waze tem um conhecido aplicativo para smartphones que ajuda os usuários a fugir do trânsito. No entanto, a empresa tem uma ambição ainda maior: aliviar congestionamentos nas cidades brasileiras.

O plano se chama Connected Citizens (cidadãos conectados, em tradução livre) e, basicamente, transfere as informações geradas em tempo real pelos usuários do aplicativo do Waze, como um alerta de carro parado em uma avenida, para a prefeitura. Com dados como esse, medidas podem ser tomadas pelos órgãos públicos de transporte para evitar o acúmulo de carros em um determinado ponto.

O projeto não é novo, existe desde 2014, mas atingiu recentemente a marca de 10 cidades parceiras na América Latina. No Brasil, os municípios que já contam com o programa Connected Citizens para fornecer informações às prefeituras são Rio de Janeiro, Petrópolis (RJ), Juiz de Fora (MG) e Vitória (ES).

Paulo Cabral, responsável pelo desenvolvimento de mercados na América Latina, conta que o Waze consegue agilizar a circulação de dados sobre o trânsito na gestão pública. “Não sofremos com burocracia por parte dos governos no Brasil. Precisamos que essas informações corram de maneira rápida”, declarou Cabral, em entrevista a EXAME.com.

O executivo destaca que o projeto, ao mesmo tempo que empodera o usuário, que pode ter um real impacto na gestão de tráfego, melhora a comunicação entre o cidadão e o governo. “Durante o Furacão Patrícia, o Waze atualizou os dados sobre o fechamento das ruas e as pessoas puderam entender quais eram os locais com acesso. O próprio governo colocou uma mensagem incentivando o cidadão a usar o app”, disse Cabral.

No caso do Brasil, ele destaca exemplos do Rio de Janeiro, sede dos Jogos Olímpicos 2016.

“No primeiro turno das eleições, vimos quais eram os locais com maior congestionamento por causa da votação. Agora, seremos um parceiro nas Olimpíadas para ajudar na engenharia de tráfego. Principalmente, para que as pessoas evitem o transito na região dos jogos.”, declarou o executivo.

 

Fonte : Exame

Deixe aqui seu comentário

comentários

Parceiros