Blindagem chega à classe média. Mas vale a pena?

Você já pensou em ter um carro blindado? Ano após ano, uma maior parcela dos brasileiros passa a considerar esta possibilidade. A falta de segurança nas grandes cidades somada aos crescentes índices de violência faz com que os mais favorecidos financeiramente invistam um dinheiro alto para blindarem seus veículos e circular pelos centros urbanos com mais segurança, ou pelo menos, com a sensação de estarem mais protegidos. A novidade é que agora a blindagem passou a ficar mais acessível e até modelos novos estão sendo vendidos já blindados.

O Brasil possui uma frota de cerca de 120 mil veículos blindados. Para termos uma ideia, no ano de 2003 o número de carros com proteção balística no País era de 22 mil veículos, o que representa um crescimento estrondoso de 445% em dez anos.

Hoje, o mercado brasileiro de blindagens civis é o maior do mundo, tipo de recorde do qual não podemos nos orgulhar. Em média, uma pessoa gasta cerca de R$ 47.300 para blindar seu veículo, o que não deixa de ser um valor significativo mesmo em veículos que custam mais de R$ 200 mil.

Mesmo assim, trata-se de um mercado promissor e, de acordo com aAssociação Brasileira de Blindagem (Abrablin), apresenta um crescimento de 5% ao ano. Para abocanhar uma parcela deste nicho, empresas como a DuPont, estão investindo em um sistema de blindagem “popular”, mais acessível – que chega a custar até 50% menos que a blindagem tradicional.

A sacada da marca foi desenvolver kits pré-moldados para 20 modelos de automóveis, com preços que variam de R$ 18.950,00 a R$ 33.000,00. Para se blindar um Chevrolet Agile vendido por cerca de R$ 40 mil, por exemplo, o cliente desembolsaria metade do valor pago pelo veículo, R$ 21.950. Batizada de Armura, a blindagem “popular” é mais leve, adiciona cerca de 90 quilos ao veículo enquanto a proteção mais comum pode adicionar até 170 quilos extras. Para conquistar clientes, a marca ainda afirma que seu produto não provoca alterações significativas no desempenho e consumo de combustível e, além disso, a instalação é feita em apenas 15 dias úteis.

No entanto, embora o produto seja certificado pelo Ministério da Defesa, ele se enquadra no nível I da norma NBR 15000 da ABNT que oferece proteção contra tiros de armas calibre 38 e abaixo. Segundo Rodrigo Fukuoka, chefe dos investigadores da Divisão Especial de Atendimento ao Turista – DEATUR – , os calibres mais utilizados pela bandidagem são os das armas que tem venda autorizada no País ( como .38, .32, 380). “Geralmente são armas que os bandidos roubam de vigilantes e seguranças particulares de estabelecimentos comerciais. No entanto, de dez anos para cá calibres restritos começaram a ser vistos em assaltos comuns, o que é reflexo do contrabando de armas que vem do Paraguai, país que faz fronteira com o Brasil”, explica.

Deixe aqui seu comentário

comentários

Parceiros